PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

De olho nos dados: backup do iCloud não é criptografado por causa do FBI?

Guilherme Rambo

30/01/2020 04h00

Pete Linforth/ Pixabay

Muito se falou recentemente sobre o fato dos backups do iCloud que são feitos automaticamente em dispositivos iOS não serem criptografados de ponta a ponta. A polêmica veio à tona após uma publicação afirmar que a Apple teria desistido do recurso após pressão do FBI, pois ele tornaria mais difícil para as autoridades obterem dados de suspeitos de crimes.

Como a Apple é uma empresa que divulga a privacidade como uma de suas vantagens em relação aos concorrentes, naturalmente muitas pessoas ficaram confusas ao saber disso, então resolvi escrever este post para esclarecer algumas questões.

A primeira delas é sobre o uso de criptografia nos backups do iCloud. Algumas pessoas entenderam que o fato do backup do iCloud não ser criptografado significa que a Apple – ou qualquer governo com um mandado – poderiam ter acesso a todos os seus dados que estão no iCloud.

Isso não é verdade. O iCloud é composto de diversos recursos, muitos dos quais já contam com criptografia ponta a ponta, como Mensagens no iCloud, Chaves, Saúde, entre outros. Por exemplo, se você tem o recurso de Mensagens no iCloud ligado, o conteúdo das suas mensagens não será incluído nos seus backups, ficando assim acessível apenas nos seus dispositivos.

Outra confusão foi sobre a diferença entre algo ser criptografado, criptografado ponta a ponta ou não criptografado. Os backups do iCloud são sim criptografados, porém a chave que dá acesso a eles fica em poder da Apple, dessa forma a empresa é capaz de descriptografar o conteúdo caso seja necessário.

Quando a criptografia é feita de ponta a ponta, a chave não fica em poder da empresa, cabendo ao usuário ter acesso a ela caso queira acessar seus dados novamente. A perda da chave significa também a perda dos dados.

E é aí que entra uma terceira questão: logo após a afirmação de que a Apple teria deixado o recurso de lado por causa do FBI, outras fontes afirmaram que na verdade o principal motivo do recurso ainda não estar disponível é o medo de que os usuários o ativariam e depois acabariam perdendo a senha, tornando completamente impossível a recuperação dos dados.

Imagine perder uma senha e descobrir que você não terá mais acesso a todas as suas notas, lembretes, calendários, e-mails, fotos e vídeos. Esse cenário poderia acontecer caso não houvesse uma forma da Apple recuperar o backup do usuário, o que seria impossível num cenário com criptografia ponta a ponta.

Portanto, mesmo que a Apple decida liberar o recurso – e na minha opinião deveria – é bem provável que ele não viria ativado por padrão, já que para a maioria dos usuários o perigo de perder todos os seus dados por esquecer uma senha é muito maior do que o perigo de ter seus dados acessados por mandado de algum governo.

Dica: se você tem medo de que seus backups do iCloud possam ser acessados pela Apple ou por mandado judicial, desligue o backup do iCloud no app Ajustes e faça o backup manualmente conectando o aparelho a um computador com iTunes – ou usando o Finder no macOS Catalina.

Se você quiser saber mais sobre como se proteger on-line e manter suas senhas seguras, este outro artigo que escrevi pode te ajudar.

Sobre o autor

Guilherme Rambo é programador desde os 12 anos. Especialista em engenharia reversa, é conhecido mundialmente por revelar os segredos da Apple antes mesmo dos anúncios da empresa, além de programar para as plataformas da empresa.

Sobre o blog

Dos segredos escondidos nos códigos da Apple às tendências do mundo da tecnologia, o blog Entre Linhas aborda semanalmente os temas mais interessantes e atuais do mercado tecnológico sob o ponto de vista do programador Guilherme Rambo.

Blog Entre Linhas