Topo
Blog Entre Linhas

Blog Entre Linhas

Categorias

Histórico

Apple pode ter tirado anúncios na última hora em evento; o que ficou fora?

Guilherme Rambo

12/09/2019 04h00

O evento da Apple foi palco de diversos anúncios, mas também de muitas coisas acontecendo pela primeira vez. Foi o primeiro evento da empresa após a saída do seu chefão de design Jony Ive, o primeiro a ser transmitido oficialmente via YouTube e o primeiro evento de lançamento de novos iPhones após a virada estratégica da empresa para o modelo de assinaturas.

Esse evento também foi o primeiro há um bom tempo que terminou com menos de duas horas de duração, o que foi percebido por muitos que – assim como eu – vêm acompanhando as apresentações da Apple há bastante tempo. Essa redução no tempo do evento, o final "abrupto" e o fato de terem mencionado que não haveria tempo para números no começo – para depois gastarem diversos minutos falando detalhes técnicos do processador e sobre suas lojas – me faz acreditar que alguns anúncios que estavam planejados acabaram sendo removidos de última hora.

Abaixo, o que pode ter ficado de fora na última hora do evento desta semana:

Recarga de acessórios sem fio

A Samsung introduziu o recurso PowerShare nos seus aparelhos Galaxy S10 e colocou isso também no Note 10 – o P30 Pro, da Huawei, também possui. Ele basicamente transforma o smartphone num carregador wireless. Basta colocar os fones de ouvido, relógio, ou até mesmo outro celular na traseira do aparelho para que ele seja recarregado.

Apesar de não ser um recurso usado o tempo todo, pode ser extremamente útil em situações onde não se tem acesso a um carregador separado (viagens, por exemplo).

Os rumores de que os iPhones deste ano viriam com o recurso duraram até poucos dias antes do evento, quando o analista Ming Chi Kuo afirmou que a empresa teria desistido de lançar o recurso de última hora, por motivos técnicos.

A Apple tem um histórico complicado quando o assunto é carregamento sem fio. No evento de lançamento do iPhone X, em 2017, Phil Schiller subiu ao palco para anunciar que a empresa lançaria um carregador sem fio revolucionário. Chamado "AirPower", ele permitiria o carregamento de até três dispositivos simultaneamente, sendo possível colocá-los em qualquer posição no carregador.

Naquela época, o AirPower foi prometido para "o ano que vem", porém, após atrasos e mais atrasos, o projeto foi cancelado de última hora num estágio já bastante avançado de produção, devido a problemas com sua qualidade e confiabilidade.

Agora, dois anos após o anúncio do AirPower, temos mais um recurso envolvendo recarga sem fio que estava em desenvolvimento, mas foi deixado de lado "na última hora". O que a Apple fez certo dessa vez foi não anunciar ele antes de estar pronto. De qualquer maneira, é um recurso que já está disponível no mercado e do qual certamente uma parcela grande dos usuários sentirá falta.

"Apple Tag" e chip U1

As primeiras informações sobre um dispositivo da Apple similar à Tile – um pequeno dispositivo rastreador de objetos – surgiram em abril de fontes da própria companhia. O dispositivo permitiria o rastreamento de objetos no app Buscar, da mesma forma como é possível rastrear iPhones, AirPods, amigos e membros da família.

Um tempo depois, no primeiro beta do iOS 13, apareceu a primeira pista, na forma de um arquivo que continha referências a um produto com o modelo "Tag1,1". Mais recentemente, o MacRumors divulgou screenshots mostrando a nova aba no app Buscar e eu pude confirmar com fontes da empresa sua veracidade, além de maiores detalhes sobre o funcionamento dele, que já comentei num artigo anterior.

No evento desta semana, a Apple destacou nos slides o novo chip U1, que equipa os iPhones 11 e 11 Pro, porém não fez nenhum comentário a respeito do que se trata esse chip. Trata-se de um chip que usa a tecnologia de banda ultralarga para reconhecimento espacial, permitindo que os novos iPhones "enxerguem" com uma precisão muito grande outros aparelhos Apple com o mesmo chip que estejam próximos. Essas informações são do site oficial da Apple em português, que também afirma que o novo chip "vai dar origem a recursos incríveis". Importante notar o tempo futuro da frase.

Por enquanto, o único recurso que virá inicialmente será a possibilidade de apontar o iPhone na direção de um amigo para enviar informações através do AirDrop, algo muito pequeno para justificar a inclusão de um chip totalmente novo nos aparelhos.

Para mim, fica claro que o novo produto rastreador está a caminho, mas não estava pronto para ser anunciado. Talvez saberemos mais a respeito dele em outubro – afinal, é comum a Apple fazer eventos no mês.

Óculos de realidade aumentada

Os rumores sobre óculos de realidade aumentada da Apple são de longa data. Neste ano, ficaram mais evidentes com informações de fontes da empresa e também alguns vazamentos de software dando indicações de que os tais óculos realmente estariam em desenvolvimento.

Após o término do evento, foram lançadas as versões Golden Master (ou seja, as versões praticamente oficiais) do iOS 13 e do Xcode 11 (ferramenta para desenvolvedores). A surpresa foi encontrar dentro dos softwares lançados inúmeras referências que apontam para a existência desse dispositivo.

O sistema de AR estéreo parece ter um funcionamento semelhante ao CarPlay, no qual o iPhone faz todo o trabalho pesado, com o dispositivo externo servindo apenas de display externo. Também há indicações de que o suporte não seria exclusivo para dispositivos da própria Apple, mas estaria aberto a dispositivos de outros fabricantes, dentro do programa MFi.

É muito raro para a Apple deixar informações tão "quentes" sobre produtos ainda não anunciados em softwares disponíveis para desenvolvedores ou o público em geral, o que pode indicar que o anúncio estava planejado para o evento, mas foi cancelado na última hora. Com isso, pode ser que saibamos mais a respeito dos projetos para AR/VR muito em breve.

MacBook Pro, iPad Pro, Apple TV e mais

Além dos recursos e produtos citados acima, tivemos algumas outras omissões no evento que valem ser mencionadas. Uma delas foi o lançamento do MacBook Pro de 16", do qual se ouve rumores desde o começo do ano. Também não tivemos atualização na linha de iPads Pro, novo Apple Pencil, nem novidades nos fones de ouvido (AirPods e linha Beats).

O monitoramento de sono no Apple Watch parece ter ficado para o ano que vem, conforme alguns relatórios anteriores já vinham afirmando. Também não foram divulgados detalhes nem data de lançamento para o novo Mac Pro e Pro Display XDR.

É possível que essas novidades também tenham ficado para um evento da Apple em outubro, como a marca costuma realizar.

Foi decepcionante?

Na minha opinião, não.

Fiquei bastante satisfeito com o que foi anunciado ontem, especialmente o recurso always-on para a tela do Apple Watch Series 5 (que não tinha vazado nem era rumor, diga-se). Os novos iPhones parecem ser uma evolução considerável com relação aos atuais, mas ainda mais para quem vai trocar do iPhone 7, 8 ou até mesmo X.

Apesar de ter sentido falta de diversas coisas no evento de ontem, é sempre importante controlar expectativas. Não é bom aguardar um evento da Apple esperando que todos os rumores e vazamentos se concretizarão.

Sobre o autor

Guilherme Rambo é programador desde os 12 anos. Especialista em engenharia reversa, é conhecido mundialmente por revelar os segredos da Apple antes mesmo dos anúncios da empresa, além de programar para as plataformas da empresa.

Sobre o blog

Dos segredos escondidos nos códigos da Apple às tendências do mundo da tecnologia, o blog Entre Linhas aborda semanalmente os temas mais interessantes e atuais do mercado tecnológico sob o ponto de vista do programador Guilherme Rambo.